Home Governo de Portugal DGPC Home UNESCO
English Version

Doação do Termo de Ceras

Desde 1128 que os Cavaleiros Templários estavam estabelecidos no condado Portucalense em particular com a doação do castelo de Soure, na margem sul do Mondego feita pela condessa D. Teresa que então governava o condado na menoridade de seu filho D. Afonso Henriques.
 
Por volta de 1140 o jovem conde proclamou a independência de Portugal e começou a conquista dos territórios que estavam para sul do vale do Mondego. Os Templários vão participar no alargamento das fronteiras do novo reino, na reconquista dos territórios ocupados pelos muçulmanos; mas a sua missão é essencialmente pacificadora e povoadora. Na primavera de 1147 os Templários tomam parte importante na conquista de Santarém. Aconteceu que, aquando desta conquista, o rei doou aos Templários as igrejas do termo de Santarém que tal como Lisboa, eram cidades cristãs, antes das invasões muçulmanas e naquela época as igrejas de Santarém pertenciam à diocese de Lisboa. Porém no outono do mesmo ano é Lisboa conquistada e vai ter um novo bispo o qual vai reclamar ao rei a posse das ditas igrejas para a sua diocese.
 
Em Fevereiro de 1159, para resolver o conflito de posse que opunha os Templários ao bispo de Lisboa, D. Afonso Henriques doa aos Templários, o vasto território do rio Tomar, o Termo do Castelo de Ceras, situado a meia distância entre Coimbra e Santarém, e estabelece um acordo entre os Templários e o Bispo de Lisboa pelo qual os Templários abdicam das igrejas de Santarém (com exceção da de S. Tiago) e como contrapartida o bispo de Lisboa abdica de todos os direitos eclesiásticos sobre todas as igrejas do termo de Ceras, construídas ou a construir pelos Templários. Esses direitos reconhecidos e acrescentados pela Santa Sé irão conferir ao termo de Ceras a condição de diocese dependendo diretamente do Papa.
 
O termo de Ceras pegava a norte e a nascente com o termo de Alvaiázere, (Rego da Murta) e, estendendo-se pela margem direita do rio Zêzere, incluía a área da bacia hidrográfica do Nabão - ao tempo denominado Tomar. Era uma vasta região com cerca de 400 km2 cujos limites geográficos estão muito próximos do atual concelho de Tomar.

rss